terça-feira, 9 de outubro de 2012

Consultoria em Acessibilidade

Percebendo as dificuldades que as pessoas com mobilidade reduzida tem para acessar diversos estabelecimentos públicos e privados nas cidades, resolvemos oferecer um serviço que possibilite adaptar e transformar estes espaços de forma a permitir a todos o acesso sem transtornos ou complicações.
Nossa equipe é composta por:
Alessandro Ribeiro Fernandes - 42 anos, administrador, paraplégico há nove anos e criador do Blog do Cadeirante, onde relata os desafios de um usuário de cadeira de rodas no dia a dia e sugere soluções para superar os inúmeros obstáculos que encontra. Com pós graduação em Gestão Estratégica, já avaliou dezenas de locais públicos ou privados no quesito acessibilidade, sugerindo modificações que foram implantadas em muitos destes lugares. Possui uma visão crítica da acessibilidade do ponto de vista de quem necessita de acesso a todo momento.
Giordana do Rosário Silva - 38 anos, engenheira civil, companheira do Alessandro, tem vasta experiencia em acessibilidade, principalmente no atendimento as legislações. Busca desenvolver projetos compatíveis com a necessidade do usuário e a satisfação do cliente.
Nosso objetivo é avaliar as características de cada local com uma análise criteriosa considerando as dificuldades encontradas por quem precisa de acessibilidade e propor soluções viáveis e inteligentes para garantir o acesso de todos da melhor forma possível.
Exemplo de projeto de acessibilidade elaborado pela Sem Degraus

De acordo com nossa avaliação e a intenção do proprietário, elaboramos um projeto que garanta acessibilidade, propondo a construção de rampas definitivas ou móveis, que garantam segurança para quem for utilizar. Um projeto bem feito considera a altura e irregularidades do terreno, sugere o material mais adequado e determina a inclinação ideal de acordo com as características do imóvel, para garantir segurança e a leveza necessária em uma boa rampa móvel.
Projeto de banheiro adaptado elaborado para uma indústria de grande porte

Portanto, a equipe SEM DEGRAUS faz avaliação e elaboração de projetos para tornar ambientes comerciais ou residenciais acessíveis, seja através da eliminação de barreiras físicas ou cognitivas, isto é amplia as formas de acesso e entendimento das áreas e setores dos estabelecimentos comerciais, permitindo autonomia de uso a uma maior diversidade de cliente!

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Solução simples



Mais um lugar acessível e agradável pra comer: o Benedita Gula da Rua Marília de Dirceu. Não tem banheiro adaptado, mas pra um lanche rápido é ótimo, boa comida e ambiente agradável, com mesas na calçada. E lá há uma solução que resolve 90% das entradas inacessíveis: uma rampa móvel. Não precisa fazer obra, mexer na estrutura ou na fachada do imóvel, basta mandar fazer uma rampa que se encaixe por cima dos degraus e colocá-lá quando necessário. É a mesma estratégia utilizada no Pinguim. Não fica muito caro e atende a quem precisa.
Só que não é só fazer uma rampa de qualquer jeito e achar que tá "quebrando o galho" de quem tá "quebrado". Tem que ter um ângulo bom o suficiente pra pessoa conseguir subir sozinha, sem precisar chamar um guindaste (o ideal é entre 6,25% e 8,33%, de acordo com a ABNT NBR 9050:2004). E tem que encaixar com segurança sobre os degraus, senão o quebrado corre o risco de ficar mais quebrado ainda!

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Rampa móvel com corrimão

Rampa móvel com corrimão

Mais um exemplo de rampa móvel para permitir acesso a cadeirantes aqui em BH. E essa é nota 10: além de ter boa inclinação, tem corrimão, o que permite ao cadeirante se apoiar ou auxiliar na subida puxando com uma das mãos, e ainda ajuda uma pessoa com dificuldade de andar a subir com segurança. A rampa móvel tem a vantagem de não precisar reformar o estabelecimento, tem baixo custo e ainda pode ser retirada em uma necessidade, e na hora de fechar a loja. E o lugar, mesmo com uma porta pequena, ficou facilmente acessível.
A loja em questão é a Saúde Vida produtos médicos, na Rua dos Otoni, 615. Eles vendem cadeiras de rodas, esse dia tinha até umas pessoas escolhendo uma. Bem, um lugar que vende cadeira de rodas tem obrigação de ter acesso, né?

segunda-feira, 12 de março de 2012

Rampa construída em prédio residencial

Agora posso entrar pela porta da frente 

Em acessibilidade, é fácil perceber uma característica: a maior parte das vezes em que lugares "não públicos" são adaptados para receber cadeiras de rodas, o dono tem um parente ou um amigo cadeirante. Já é muito difícil encontrar comércios adaptados por iniciativa do proprietário, ainda mais prédios residenciais.
Meu namorado, que é cadeirante, inaugurou há um tempo atrás uma rampa em um prédio residencial, onde mora um casal de amigos nossos. Eles aproveitaram que o prédio passaria por uma reforma para pleitear a rampa para o amigo cadeirante. Antes da rampa, se fossemos visitá-los, nosso amigo tinha que tirar um carro da garagem para entrarmos com o nosso carro e ter acesso ao elevador. Ele fazia sem problemas, mas era chato ter que causar esse transtorno.
E não foi tão difícil fazer a rampa, tinha bastante espaço na faixada, que na minha opinião ficou até mais bonita. Fiquei muito feliz com a lembrança e aprovei a rampinha. E ela será útil para todos, em casos de entrar com móveis ou eletrodomésticos pesados, ou mesmo em um caso de mudança. No fim das contas, vale a pena buscar acessibilidade, independente de ter parente ou amigo cadeirante. E os cadeirantes devem incentivar a todos para que tornem seus prédios acessíveis.
Afinal, todos ganham quando é instalada uma rampa, principalmente se for definitiva como no caso do nosso amigo.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Rampa móvel em prédio residencial

Rampa muito bem feita e com bônus
Aí está um belo exemplo de rampa móvel em um prédio residencial. Feita em alumínio, ela encaixa perfeitamente nos degraus. E não impede que eles sejam usados por outras pessoas. Para completar, a rampa é dobrável, o que facilita para ser transportada e guardada.
Um fato curioso que notei foi uma corrente fechada com um cadeado na base da rampa, para evitar roubo. Como ela é de alumínio e dobrável, facilita para ser retirada e transportada, por isso o receio.
Com direito a sistema anti-furto
É uma prova que até em uma entrada relativamente difícil, em terreno inclinado e com três degraus, é possível fazer uma rampa móvel seguindo as normas de acessibilidade com um ângulo de entrada excelente e com facilidade de ser vencida. E sem atrapalhar o caminho dos andantes. Só faltou um prolongamento do corrimão, que facilitaria muito a subida.